Pages

quarta-feira, janeiro 21, 2009

A excentricidade, genialidade e loucura de Dalí

Alguém aí conhece Salvador Dalí (1904-1989)? Sim, aquele mesmo artista com o bigode esquisito, que executou o quadro dos relógios derretidos (foto abaixo; A persistência da memória, de 1931), de personalidade extremamente excêntrica.


Qualquer um que estude Arte deve tê-lo como ídolo (ou não) se tratando das suas tão mirabolantes obras, que tanto fazem a nossa visão trabalhar. Eu mesma tiro o meu chapéu pra Salvador Dalí. Se tratando da Arte do século XX, ele é um dos meus artistas preferidos. Não somente porque ele era louco, mas porque ele não tinha papas na língua (e nem no pincel!). Abaixo, Gala olhando para o Mar Mediterrâneo que, a vinte metros, se transforma no retrato de Abraham Lincoln, de 1976.


Mas que sujeitinho mais intrigante este artista... Dalí é uma das figuras da História da Arte que mais me intriga... Primeiro, é louco! Segundo, é irreverente! Terceiro, ele não tem um pingo do que chamamos de "bons costumes".
Dalí é uma das figuras que pertenceu ao movimento que conhecemos como Surrealismo, que começou em 1924, através do manifesto de André Breton. O Surrealismo surgiu do Dadaísmo, mas sem o "non-sense" do segundo. O Dadaísmo era realmente sem nexo, sem sentido, e não tinha nenhum propósito além de causar choque ou riso (que sentido além da anti-arte tem uma exposição onde se destroem obras de arte? Pra quem não sabe, estou falando de uma exposição Dadaíta que ocorreu em Colonia, em 1921). Só que no fim, todo mundo já tava cansado de todo aquele turbilhão de coisas ("coisas" é uma palavra que se encaixa aí muito bem!). O Dadaísmo veio por "falecer" logo no início da década de 1920. Breton, um dos artistas envolvidos, estava muito entediado e resolveu criar um movimento artístico novo, em 1924, chamado de Surrealismo. Então, digamos que ele só era o fundador do movimento ao qual Dalí fazia parte.
Breton e Dalí eram amigos e colegas artistas, até Dalí executar uma obra sua que difamava Lenine, entitulada "O enigma de Guilherme Tell", de 1933.


Breton ofendeu-se, já que era esquerdista, e achou aquilo um absurdo e resolveu expulsar Dalí do grupo de surrealistas, além do processo que viria a ocorrer no dia 5 de fevereiro de 1934.
Realmente a defesa de Dalí foi algo que me causou risos quando li o seguinte trecho no miniguia:
"Durante a sessão Dalí manteve um termômetro na boca, fingindo estar com gripe. Durante o discurso foi-se despindo até terminar a sua defesa em tronco nu, com a frase: 'E se o hoje à noite eu sonhar que fizemos amor, amanhã de manhã pintarei as nossas mais belas posições com grande riqueza de detalhes'. Breton, cuja autoridade tinha sido posta em causa por esta suposição, teve de abandonar as críticas feitas a Dalí. No entando, a ruptura profunda desencadeada por este escândalo conduziria, dentro em breve, ao fim da sua amizade artística e pessoal."
Fora que Breton ainda tentou destruir o quadro em uma exposição. Dalí era louco, mas de burro não tinha nada! Deixou o quadro pendurado tão alto, para que Breton não pudesse alcançar.
Por isso que eu admiro artistas com a presença de Dalí, todos eles estão dispostos a desafiar as crenças, pondo-as em evidência.
Outro do qual pretendo falar em outro post, neste blog, é a respeito de Marcel Duchamp e a respeito da sua "Arte".
Terminando o assunto sobre o nosso doido e querido surrealista, Dalí veio a falecer em 23 de janeiro de 1989, 7 anos depois da mulher de sua vida, Gala, ter partido.

BIBLIOGRAFIA:
WEYERS, Frank; Salvador Dalí: Vida e Obra; Editora Könemann; 1999.
  • Stumble This
  • Fav This With Technorati
  • Add To Del.icio.us
  • Digg This
  • Add To Facebook
  • Add To Yahoo

2 comentários:

rosalicolares disse...

Muito bom teu blog Aline, parabens. Segue esse jeito irreverente de eecrever, levantando curiosidades da vidad do artista.
Oque eu gosto no Dali e nos surrealistas, é que eles voltaram com a represemntação e não tinham nenhuma obirgação ideologica, ao contrario dios movimentos antetriores e posteriores.
Claro, eles eram comunistas, mas o comunismo era "modinha" entre os artistas, era como um... sei lá... (é facil ser comunista, pensador e revolucionario, sendo artista, rteconhecido e reverenciado)
essa obra acima eu não conhecia, mas parece muito com uma da irmã do artista olhando oi mar, alias uma das primeiras pinturas dele.
E o bigode dele era implante de pêo de lontra.

RONALDO RHUSSO disse...

Legal ter vindo aqui... Nem conhecia Dali... Nem de cá...

Postar um comentário

Serão aceitos somente comentários inerentes aos posts. Arte e somente Arte!

 
Copyright 2010 Arte comentada | Powered by Blogger.