Pages

quarta-feira, setembro 09, 2009

A Arte Japonesa e seus períodos histórico-artísticos

Seguindo os posts a respeito de Artes oriundas de outros lugares do planeta, além da Europa, resolvi falar a respeito de uma Arte que se encontra muito próxima do último assunto que tratei na última postagem.

Abordarei o tema da Arte Japonesa, mais ou menos como fiz com relação a Arte Chinesa, já que as duas têm muitos pontos em comum. Não por acaso, é claro, já que a cultura japonesa foi amplamente influenciada pelos seus vizinhos chineses, e também pelos coreanos.
Claro que isso daria muito pano pra manga (como no caso da Arte Chinesa), só que procurarei fazer um apanhado de ideias que definam da melhor forma possível a Arte Japonesa.

Ela é dividida em vários períodos e passou por diversas modificações com o passar dos séculos (como qualquer arte e cultura, que passa por mudanças drásticas). Mas se formos no âmago da questão, descobriremos que a Arte Japonesa não é diferente da Chinesa com relação ao objetivo. Ambas procuravam a harmonia e a serenidade, como é o caso da Arte Japonesa.

Como a Arte Japonesa sofreu muita influência do Budismo, oriundo do continente, podemos chamar de Período Pré-Budista aquele que veio antes da influência da religião no Japão.

Período Pré-Budista:
Os primeiros registros que se têm de Arte Japonesa datam do período Pré-Budista (antes da religião chegar ao Japão), onde se encontram esculturas fúnebres e sinos estilizados conhecidos como dotaku (abaixo).


Dividido em:
- Período Jomon (2500 a.C. - 200 a.C.): Ocuparam o Japão logo ao final da quarta glaciação. Estima-se que eram politeístas. Abaixo, um exemplo de cerâmica Jomon.

- Período Yayoi (300 a.C. - 250 d.C.): É marcado principalmente pela imigração de coreanos (teoria melhor aceita, já que também há a teoria de imigrantes chineses), o que influenciou na cultura, na arte e na tecnologia do Japão. O arroz passou a ser cultivado, e houve um grande avanço na cerâmica (abaixo).

- Período Yamato:
"Durante a invasão pela Mongólia, após sucessivas lutas entre os clãs, surge a dinastia
Yamato, por volta de 250 d.C." (fonte: Nipocultura)

- Período Kofun (250 d.C. - 500 d.C.): Como Kofun significa literalmente "túmulo antigo", podemos já deduzir qual seria o principal motivo da arte japonesa desse período. Semelhante à arte egípcia, os japoneses (época em que predominou o clã Yamato) construíam tumbas para pessoas importantes e influentes. Abaixo, a tumba de Nintoku. Observem os prédios e casas em volta para terem uma ideia do tamanho dessa tumba! E o mais interessante é o formato de fechadura que há do lado interno, o que com certeza nos mostra um interesse simbólico do Japão em sua arte catacumbária.


É importante comentar, antes de abordar o Período Asuka, onde o principal acontecimento foi a "entrada" do Budismo no Japão, e foi o período onde a China mais influenciou os japoneses. -

Período Asuka (500 - 710): Não poderíamos falar deste período sem tocar no nome de
Kuratsukuri Tori. Mas quem foi ele? Ele nada mais era do que um escultor chinês que influenciou muito a arte japonesa desse período, já que quando se fala em Estilo Tori, estamos falando dele! Abaixo, uma escultura de bronze do Estilo Tori, do Período Asuka.

- Período Nara (710-784): Relaciona-se muito com o fato da capital japonesa Nara ser o pólo principal das artes e da cultura. Assim como no período Asuka, as artes tiveram grandes influências do continente, e o Budismo se propagava a ponto de fazer com que os monges tivessem uma importância tal que até na política eles tinham o seu poder. Templos xintoístas foram levantados nessa época também. Mas o principal está no fato do poder estar concentrado em Nara.

- Período Heian (784 - 1185): Estava aqui procurando algo que me fizesse entender o "espírito" do período Heian. Apesar de ter lido alguns sites, gostei muito desse em especial que falou em um tom sarcástico, bem típico do site Desciclopedia. Aqui está o
link. O período Heian, no que diz respeito às artes, tem a ver com a ida do sacerdote Kukai à China, onde aprendeu o Xingon, que é uma variedade mais rígida do Budismo, e o introduziu no Japão em 806. As mandalas são muito utilizadas pelo Budismo para explicar os seus ensinamentos e fundamentos. Abaixo temos duas mandalas: o kongokai (mundos do budismo, e representa a sabedoria de Buda) e o taizokai (reinos do universo budista, e representa a misericórdia de Buda).

Também merece destaque o pintor Kose Kanaoka, inventor do estilo Kose, que era utilizado na ilustração de poemas. Abaixo, um retrato seu, por Kikuchi Yosai.
Aqui, concluindo o período Heian, que acabou por volta de 1185, com o início do Xogunato do período Kamakura, dando começo ao período Feudal no Japão.

Periodo Kamakura (1185- 1333): Tendo durado mais de 200 anos, o período Kamakura é marcado pelo surgimento dos samurais como uma classe elitista. O Japão continua na troca de ideias com a China, e elaborando a sua própria identidade nacional. O zen-budismo ganha cada vez mais força nas artes, principalmente na escultura religiosa. O país vive em confrontos por causa dos conflitos pelo comando do país através das tantas famílias guerreiras.
"As maiores obras-primas da pintura narrativa -- Ban-Dainagon, Shigizan-engi, Taemamandara no engi --, foram produzidas em rolos de cerca de cinqüenta centímetros por 9 a 12m, de efeito quase fotográfico." (Fonte) Abaixo, Ban-Dainagon. Observa-se muito o predomínio do traço na pintura abaixo, algo que os japoneses herdaram da influência chinesa no arquipélago.


Período Muromachi (1336- 1573): Foi um período muito propício para as Artes, já que "O governo militar, fundado por Ashikaga Takauji, chegou ao seu apogeu no tempo de Yoshimitsu. Este último foi apreciador da arte e do luxo. Foi ele quem mandou construir notáveis obras arquitetônicas, como Kinkakuji (Templo Dourado) e Hana-no Gosho (Palácio das Flores). Ele difundiu a dança cerimonial 'Noh', como também a Cerimônia do chá. Exageradamente concentrado nas atividades artísticas e estéticas, ele se desinteressou da política, dando oportunidade aos oficiais regionais de se apoderarem das terras aumentando poderes militares e conquistando vantagens econômicas." (Fonte) Abaixo, o Kinkakuji, em Kyoto. Também é interessante lembrarmos a fusão cultural das aristocracias e das classes guerreiras. E importante também ressaltar que a cerimônia do chá era tida como um ritual de serenidade japonesa. Diverge-se a origem da cerimônia do chá entre a China ou sendo própria do Japão.

" Por essa época surgiu o Suiboku, estilo de pintura intimamente ligado ao zen-budismo e que apreciava as aguadas de nanquim em preto e branco. O primeiro grande pintor dessa técnica foi Shubun. Destacou-se também Sesshu, 'o pintor da chapada de tinta', que desenvolveu estilo mais pessoal." (Fonte) Abaixo, um exemplo de Suiboku, e "Paisagens do Outono e do Inverno", pelo mestre do Suiboku, Sesshu. Pode ser vista no Tokyo National Museum.



Período Momoyama (1574 - 1603): Apesar de um curto período, podemos dizer que esse também foi um período rico na História da Arte Japonesa.

Merece destaque os alunos da segunda e terceira geração da escola Kano, que contribuiu e muito com a identidade nacional japonesa, distanciando-a um pouco da Arte Chinesa. Ajudaram com os biombos, usados para ornamentar palácios e castelos, como o de Momoyama, que acabou levando o nome do período. Abaixo, uma obra do período.

Também é muito importante enfatizar que durante esse período, os japoneses sofreram considerável influência dos portugueses. Vejas tu mesmo as datas desse período, e pense! Os portugueses estavam a todo o vapor (não literalmente vapor, porque os seus navios eram a velas!). Haviam descoberto o Brasil 74 anos antes desse período Japonês. Inclusive foi muito considerável a contribuição cristã para a Arte Japonesa desse período. Infelizmente, durante o Período Edo (período posterior a este que estamos falando) os cristãos foram perseguidos e mortos, e é claro, muitas obras de arte cristãs foram destruídas. As que resistiram foram "O retrato de São Francisco Xavier" (encontrada atualmente no museu Kobe) e os "15 mistérios do Rosário" (da coleção Azuma).





Período Edo (1603 - 1868): Foi marcado pelo Xogunato Tokugawa. Quem é fã de anime, ou mangá, e ler Samurai X, vai saber mais ou menos do período que eu estou falando. O Japão está em uma era de orgulho nacional, e fecha os seus portos a quaisquer estrangeiros sem uma devida autorização. A eles se incluem os portugueses. Holandeses e franceses só com a devida permissão. Foi um período marcado por guerras e revoluções. Claro que os japoneses tiveram o seu motivo para barrar a entrada de ocidentais, já que eles viram o que estava sendo feito na China e na Índia pelos europeus. O estilo japonês que merece destaque, e até seria uma heresia deixá-lo de fora. Eu estou falando do estilo Ukyo-E ("o mundo inspira desgosto" - provérbio japonês do século XVIII). Para quem estuda História da Arte europeia, vai entender que, chegando aos impressionistas, que eles obtiveram grande inspiração nas estampas japonesas, marcadas pelo estilo "chapado" de cores, e descentralizado da composição. O Ukyo-E era um movimento artístico tal como aqueles que conhecemos na História da Arte Europeia, e tinha os seus artistas de renome. Eram eles: Kyionobu, Suzuki Harunobu, Koriyusai, Kiyonaga, Sunsho e Sharaku, Kitagawa Utamaro, Katsushika Hokusai e Ando Hiroshige e Igusa Kuniyoshi.



Período Meiji (1868 - 1912): O que mudou nesse período simplesmente foi a reabertura dos portos para os estrangeiros. Isso se reflete na arte também, já que o Japão passou a assimilar os modelos de arte ocidentais também.

Recebe destaque
Yamamoto Kanae pelas suas gravuras aprendidas por ele e seu grupo no Ocidente. Abaixo, Gyofu - a impressão de um pescador.
O abstracionismo informal de Kosaka Gajin. Abaixo, uma xilogravura sua.


Por fim... Fui até o período Meiji, porque a partir daí até hoje o Japão vem sofrido influências ocidentais em sua arte, bem como têm influenciado o exterior ocidental com as suas ideias.
A sua luta baseia-se no princípio de assimilar a cultura ocidental sem se desfazer de suas tradições, de suas raízes.
Sei que esse post ficou bem longo, mas pra quem se interessa e tá com vontade de ler mais, ou ver os sites que eu me baseei pra escrever esse post ENORME. Aí embaixo vão as referências.

Referências:

http://www.nipocultura.com.br/?cat=365


http://www.portalartes.com.br/portal/historia_pintura_no_japao.asp


http://www.portaldarte.com.br/artejaponesa.htm

http://www.pitoresco.com.br/art_data/japonesa/

http://www.historiadomundo.com.br/japonesa/arte-e-arquitetura-japonesa.htm
  • Stumble This
  • Fav This With Technorati
  • Add To Del.icio.us
  • Digg This
  • Add To Facebook
  • Add To Yahoo

2 comentários:

♥ Amanda disse...

Ola, estou fazendo um trabalho sobre a arte japonesa, achei interessantissimo o seu port, Gostaria saber se posso usar em meu trabalho, é claro que sua pesquisa estará nas referencias e citações. Aguardo resposta no e-mail: amandaveigacs@hotmail.com

Amanda, graduanda da faculdade de Bibliotecoomia, Universidade Federal do Pará.

♥ Amanda disse...

Oi Alie, eu tinha perguntado pelo e-mail se você é graduanda, agora que li seu perfil completo e obtive resposta. Parabes pelo blog, interessantissimo, concerteza venho vizita-lo mais vezes mesmo que ão saja por meio de pasquisa, é sempre otimo conhecer melho a arte que, apesar de eu ser de Biblioteconomia, adoro arte, que alias o bibliotecário tem que saber. Grade abraço.

Postar um comentário

Serão aceitos somente comentários inerentes aos posts. Arte e somente Arte!

 
Copyright 2010 Arte comentada | Powered by Blogger.